«

»

Opará – A Guerreira do Ouro

Conhecendo mais sobre Opará, a guerreira do ouro.

Opará é uma jovem guerreira que desde pequena gostava de luta, guerra e batalhas, alguns do reino de Oyó também a chamavam de ” Obirín Ogún ” que significa a mulher guerreira ou somente Guerreira, Opará é filha carnal de Obá a amazona guerreira rainha de Elekô com o rei do Oyó e senhor do fogo e da justiça Xángô. Ela é cultuada no Brasil como uma qualidade de Oxún, porém, Opará não é Oxún, mas sim um orixá distinto. Explicando tal fato, ocorreu que quando Xángô encontrou a orelha de Obá no seu prato predileto chamado Amalá, Xángô expulsou Obá de seu reino, porém, não permitiu que Obá levasse sua filha tão querida ainda criança, chamada Opará, então, como Xángô ainda estava casado com Oxún e Iyansã, mandou Oxún que era muito carinhosa e materna, cuidar de Opará. Assim foi feito, Oxún cuidou de Opará desde quando ela era pequena. Opará sempre via Iyansã lutando com uma espada e gostava de ver e copiar, até que vendo a vontade de Opará, Iyansã ensinou Opará e Onirá a lutarem, tal fato, que é por essa razão que Opará se tornou guerreira.

Opará era jovem, bela, elegante e sensual, gostava sempre de se arrumar como Oxún, a se perfumar e a seduzir vários homens com sua beleza, porém, sempre os assustavam com sua personalidade forte, brutalidade, força e violência, nunca foi de ter paciência com nada e nunca foi de ser a ” menina indefesa “, pois, Opará sabia se defender e a se virar sozinha. Opará ainda jovem, se envolveu não só com Ogún, seu grande amor, mas também com outros Orixás, tais como: Erinlé, Oxóssi, Omolú, Exú e Oxoguian. Quando nova, ainda com seus 15 anos, Opará foi prometida por seu pai Xángô a se casar com Exú, pois, Exú achou muito bela sua filha e em troca, Exú lhe daria algumas recompensas, mas Opará, independente como era, não queria se casar com Exú e renegou o mandato de seu pai Xángô a se casar, fugiu e se abrigou na floresta. Lá, ficou por dias, com fome, ferida, doente e magoada, foi quando Oxóssi o grande caçador rei de Ketú a encontrou, lhe dando abrigo, comida e curando seus ferimentos. Ensinou-lhe a caçar e a sobreviver no mundo a fora, nisso, os dois tiveram um caso, nada muito duradouro, pois Opará queria conhecer o mundo. Saiu a fora casou-se com Erinlé, fato que a fez brigar com Oxún Iyápondá, pois, nessa época Erinlé estava casado com Iyápondá, sabendo que Erinlé estava traindo, saiu para procura-lo e a deparou com Opará, as duas brigaram durante horas e horas até que Iyápondá rancou os dois olhos de Opará e a deixou cega, somente não a matando por pedido de Erinlé. Existe um Orín que se cita este pedaço do itón ( história ).

Ki lo sé mí Opará, Ki lo sé mí Iyápondá Rewé, rewé, rewé Ki lo sé mí Opará.

(Orín que diz que Opará briga intensamente com Iyápondá)

Opará ficou isolada, cega e perdida até que se deparou novamente com Oxóssi, este, ficando com dó, cuidou dela novamente e a levou até Omolú, onde este, o senhor da saúde e das doenças rei de Savaloú, curou os ferimentos e sua visão foi dada de novo por Orunmilá, fato que faz Opará tem os olhos cor de fogo. Opará também se envolveu com Oxoguian, após vence-lo numa batalha, se apaixonou e por pouco tempo ficaram casados, porque após disso, Xángô foi buscar sua filha para coroa-la como princesa de Oyó, e no dia de seu coroado, fugiu com Ogún, orixá na qual se envolveu primeiro, se separou e depois voltou devolta para casar com ele.

Opará é um orixá com envoltos mistérios, pouco se sabe sobre ela, isso acima é uma síntese de pesquisas feitas em Oxobô e em Oyó,para se saber do culto dessa divindade e, segundo os povos, existem mais cultos dela onde no Brasil seria as qualidades de Opará. As seguintes são:

Opará Nifá: A mais velha das Oparás, vive guerreando, tem enredo com Omolú e Oxoguian.

Opará Modé: É a caçadora que se envolveu com Oxóssi e com ele se casou, enda de amarelo, vermelho e azul e não come pata.

Opará Ofagí. É brava e esquentada no dendê, muito perigosa, tem enredo com seu pai Xángô, com sua mãe Obá, Iyansã e Erinlé.

Opará Rewê: Foi a que brigou com Oxún Iyápondá, muito guerreira e mulher de Ogún.

Essas são das poucas qualidades de Opará até agora se pesquisada, destacando, isto é uma síntese sobre isso, não se há totalmente uma certeza, mas sim mais um estudo sobre esse Orixá. Independente da qualidade, Opará tem ligação com Ogún, Iyansã e Oxún, devido a Oxún e Iyansã ter criado ela e Ogún ser seu marido.

Sua cor é o amarelo com vermelho, e seu metal pode ser o ouro ou até mesmo o cobre de Obá.

Saudação: Ki Lo Sé Opará!

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

seo services