«

»

Itàn sobre Nanã

Lendas Africanas

Nanã, querendo demais ter um filho de Oxalá, concebeu o primogênito Obaluaiê, o qual possuia feia aparência e foi por ela desprezado. Então consultou Ifá (o Orixá da adivinhação) e este lhe disse que em uma segunda tentativa ela teria um filho lindíssimo, tão formoso quanto o arco-íris, mas este não ficaria a seu lado, porque ela estava indo contra as leis da natureza: Oxalá era de Iemanjá, Orumilá havia traçado isto no céu. Aliás, o próprio Oxalá tentou, inutilmente, dissuadi-la desta relação. Conforme previsto por Ifá, nasceu Oxumarê, maravilhoso. Durante seis meses, assumia a forma de um arco-íris, levando água para o castelo de seu pai, que morava em Orum (céu). Nos outros seis meses, voltava à Terra sob a forma de uma cobra, aquela que mordia a própria cauda, dando a volta em torno da Terra. Ela teria gerado o movimento de rotação do planeta, bem como o trânsito dos corpos celestes no espaço. É a serpente da bíblia, da magia, e representa polaridades opostas: masculino/feminino, inverno/verão, noite/dia, bem/mal, sendo que, por ser extremamente generoso, Oxumarê coloca no coração e na consciência do homem a certeza de que só o Bem é a luz, o amor. Sendo assim, o Bem é tudo de que os bons precisam para se tornarem fortes; na verdade, o mal só existe porque os bons são tímidos. A lenda continua dizendo que Oxumarê deu um reino a seu irmão e que lhe fez uma roupa muito bonita para esconder sua aparência. Carinhoso, amoroso, não deixa que seus filhos passem privações, e se os mesmos estão sujeitos ao carma ou a “Lei”, ele procura consolá-los, ajudando-os a suportar as provas.

Deixe uma resposta

Seu e-mail não será publicado.

Você pode usar estas tags e atributos HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <s> <strike> <strong>

seo services